Como fazer uma construção e comunicação assertiva da Diversidade e Inclusão?

Como fazer uma construção e comunicação assertiva da Diversidade e Inclusão?

Com o passar dos anos e com a inserção de novas tecnologias, que há algum tempo não existiam (como entrevistas online, softwares de seleção e robôs de recrutamento), a burocracia e toda a papelada que um processo de recrutamento exigia já quase não existe mais nas grandes corporações.

O método de abordagem mudou, facilitando tanto para a empresa quanto para os profissionais. Agora, os processos são mais rápidos e efetivos, além de diminuir a quantidade de papelada, já que tudo pode ser acessado agora pelo computador ou dispositivos móveis.

Essas mudanças fizeram com que as empresas olhassem de forma mais humanizada para o processo seletivo. Hoje, muitas delas buscam incluir em sua cultura a diversidade e inclusão, processo que engloba desde a parte de atração de novos talentos até a admissão e o ambiente de trabalho.

O que deve ser evitado em um processo seletivo inclusivo?

Confira abaixo tudo o que precisa ser evitado para promover um processo seletivo com uma comunicação assertiva da diversidade e inclusão:

Perguntas invasivas

Essa é uma prática muito recorrente. Perguntas como “Você está grávida?” ou “Qual sua religião?” devem ser evitadas. Elas podem levar a discriminação do indivíduo, além de não serem relevantes para a vaga. Por isso, é preciso desenvolver uma conscientização nos profissionais. O RH deve entender o cenário de diversidade e aplicar uma cultura inclusiva, que vai refletir na comunicação do colaborador.

Todos os responsáveis devem estar preparados para fazer uma entrevista com respeito e empatia, se colocando no lugar do outro. Isso faz com que todos entendam aquilo que o outro profissional pode estar passando. Assim, o candidato é valorizado independente de quem seja, evitando que certas coisas sejam ditas, como por exemplo, gatilhos que podem levar a traumas e trazer sentimentos ruins à tona.

Não se preparar para a entrevista

O profissional de RH não deve dizer suas opiniões nas entrevistas e não trazer o lado pessoal para esse momento. O processo seletivo deve ser feito de forma profissional, voltado apenas para os interesses da empresa. Isso faz com que a entrevista seja apenas um processo de troca, em que a organização tem uma necessidade e o candidato a capacitação necessária para aquela posição.

Por isso, o preparo para a entrevista deve ser mútuo, sendo extremamente necessário que o recrutador busque conhecer o currículo do candidato e sua trajetória, da mesma forma que o profissional busca conhecer melhor a empresa.

Além disso, preparar a liderança da equipe e mudar a cultura organizacional é fundamental para ter consciência da diversidade e inclusão, evitando a perda de profissionais qualificados.

Dicas para os profissionais de RH para estarem adaptados ao processo seletivo dos novos tempos

O processo de entrevista é uma etapa muito pessoal. Por isso, não existe uma receita de bolo com um combo de perguntas certas para fazer. Afinal, existe uma variedade de pessoas e tipos de profissionais. O RH deve estar atento aos currículos e a trajetória de cada candidato, avaliando as competências que a empresa necessita e aquilo que cada pessoa oferece de forma objetiva, respeitosa e imparcial.

Dessa forma, é possível estruturar suas perguntas de acordo com o perfil da pessoa e as exigências da vaga. Além disso, é possível aplicar testes de soft skills, avaliando se o candidato está apto para a vaga, de forma totalmente técnica.

É importante que todos do setor ampliem seus conhecimentos e atualizem suas ideias, buscando se adaptar aos novos conceitos e estando sempre abertos a aprender com os diferentes para enriquecer a cultura e sua forma de ver e pensar.

A diversidade como uma área de atuação

As empresas possuem um papel social muito importante em função da diversidade. As grandes corporações precisam prover essas mudanças de dentro para fora a partir de iniciativas de inclusão.

Para isso, é necessário ter profissionais que representem essa diversidade e possam oferecer consultorias preparadas no assunto para auxiliar na construção dessa cultura dentro da organização.

É um processo que se inicia nos princípios e cultura, onde é necessário primeiramente mudar e atualizar todo o sistema da empresa, bem como os processos e o ambiente organizacional. 

É assim que é gerada a representatividade para os processos de recrutamento e seleção, além de promover um ambiente de trabalho saudável e inclusivo, que consequentemente leva a melhores resultados para o negócio.

Principais desafios da diversidade nas empresas

Atualmente, ainda é possível encontrar empresas com problemas de diversidade, que enfrentam algumas dificuldades de inserção de profissionais como mulheres, negros, LGBTQ+, pessoas acima dos 50 anos e deficientes, principalmente para cargos de liderança com equidade.

Porém, é necessário que as empresas busquem desenvolver um ambiente diverso, não apenas para estar atualizada e cumprir com uma determinada lei, mas realmente ter consciência da importância e do valor que essas pessoas possuem, promovendo um espaço adequado para que todos possam contribuir.

Por isso, é promover cargos de liderança que darão voz a essas pessoas, como as mulheres que ocupam menos de 5% dos cargos de CEO no país, trazendo equidade à remuneração, que hoje é mais de 20% menor do que a dos homens.

Todos esses fatores irão desenvolver um ambiente de trabalho de maior eficiência, representatividade, além de um clima organizacional saudável e inovador. Afinal, a diversidade promove crescimento nas empresas.

Quais são as principais práticas para atrair a diversidade e inclusão na empresa?

Confira agora as práticas que você deve aplicar em sua empresa para atrair a diversidade e inclusão:

1. Ter ações de diversidade que reforcem o posicionamento

É importante que a empresa demonstre o seu posicionamento com ações e com interesse no tema da diversidade, tornando claro suas estratégias de inclusão e a valorização dos profissionais.

2. Ter uma razão cultural

Aplicar a visão de diversidade e equidade aplicadas na cultura organizacional é essencial para trazer mudanças estruturais e evidenciar ainda mais o empenho em atrair a diversidade. Isso mostra o desejo em realmente ter esses profissionais em seu time.

3. Alinhar a comunicação com a ideia de diversidade

Para que a empresa esteja pronta para receber e aplicar os conceitos de diversidade e inclusão, é necessário que a equipe esteja imersa nessa realidade. Por isso, promova a conscientização dos colaboradores.

4. Construir a diversidade dentro da própria empresa

Antes de buscar por novos colaboradores, é importante que a empresa olhe para dentro, observando a diversidade que já existe em sua equipe. Valorize os profissionais que podem ajudar no compartilhamento dessa visão e experiência. Eles irão auxiliar na construção da cultura de diversidade no ambiente de trabalho.

5. Gerar representatividade em sua equipe

A equipe de colaboradores deve gerar representatividade, onde as pessoas vão olhar e se identificar, criando uma identidade agregadora e de equidade para o mercado.

6. Aceitar as diferentes culturas e pensamentos

É necessário não apenas querer aplicar o conceito de diversidade, mas aceitá-la dentro do ambiente de trabalho, tendo a consciência de que as pessoas possuem diferenças. Assim, a empresa passa a ter um time de colaboradores com ideias diferentes, inovações e experiência, onde um pode aprender com o outro. Isso agrega a carreira do profissional e, naturalmente, pode trazer resultados incríveis para a organização.

O que as empresas que estão começando a aplicar diversidade podem fazer para se atualizar?

O primeiro passo é buscar no mercado profissionais qualificados que já representam essa diversidade. Dessa forma, o colaborador pode auxiliar a empresa a transformar e atualizar sua visão e cultura, além de expandir seu olhar sobre o assunto. 

Além disso, é possível contratar empresas que ajudam as organizações nesse processo de mudança e auxiliam a equipe a aplicar de forma efetiva ações de conscientização para construir uma identidade inclusiva, desde os gestores até o time de colaboradores. 

Contudo, essa transformação só pode acontecer se a empresa reconhecer que precisa desse tipo de reconstrução e mudança estrutural, entendendo que todos os setores precisam se adequar a nova visão e tendo consciência do investimento na mudança da comunicação e da sensibilização.

Assim, esse processo de atualização ocorrerá de forma natural para todos, trazendo confiabilidade para a empresa.

Por fim, também é essencial realizar programas de inclusão, que possibilitam o alcance dos públicos de minoria e atraem de forma mais efetiva colaboradores que podem contribuir para a cultura de diversidade da empresa. 

E lembre-se: o processo seletivo deve ser aplicado de forma totalmente imparcial, com equidade e resiliência!

Clique aqui e veja os 7 passos para um recrutamento inclusivo! 

 

Sobre o autor

JobConvo

A JobConvo foi desenvolvida para crescer com a sua empresa – fornecendo os recursos e a flexibilidade de que você precisa em cada estágio. Se a sua empresa possui 1 ou 10.000 funcionários, pode contar conosco. Atualmente nossas soluções abrangem plataforma de Gestão para Processos de Recrutamento e Seleção e admissão digital, onde você pode gerir todo o processo com um sistema com inteligência artificial.

Sobre a JobConvo

Plataforma Líder em Gestão para Processos de Recrutamento e Seleção

  • Crie requisições;
  • Personalize e automatize as etapas dos processos;
  • Compartilhe as vagas em diversos canais;
  • Aplique testes técnicos;
  • Faça o Fit Cultural e a tendência de comportamento dos candidatos;
  • Analise as vídeo entrevistas;
  • Compartilhe os finalistas com gestores;
  • Analise os relatórios;
  • Faça a admissão digital.

Saiba mais