O que é absenteísmo? Conheça o seu impacto e saiba como evitá-lo

5 (100%) 1 vote[s]

As empresas sofrem impactos positivos e negativos, diariamente, por parte de seus colaboradores. O engajamento, dedicação e empenho, contrastam com a procrastinação, desmotivação e absenteísmo.  

Algumas organizações têm que lidar com grandes dificuldades de retenção de funcionários. Política interna, ambiente e condições de trabalho são alguns dos influenciadores internos, mas os impactos externos acabam tendo grande responsabilidade na ausência dos colaboradores.

Desocupação, falta, licença ou ausência, o absenteísmo está ligado a vertentes que evidenciam a auto-exclusão do indivíduo das atividades da empresa. Por isso, muitas organizações desenvolveram políticas de absenteísmo, na qual passam a aplicar estratégias de mudança e medidas de punição para os seus colaboradores.

Muitas empresas sofrem, pois não conseguem identificar, previamente, o absenteísmo dos colaboradores. Isso destaca a importância dos recursos humanos no auxílio dos gestores e a influência das políticas motivacionais na organização.

Continue lendo este artigo, pois aqui você irá entender os impactos do absenteísmo na organização e quais medidas podem ser tomadas para evitá-lo ou eliminá-lo. Acompanhe!

Absenteísmo: o que é?

Sabemos que o absenteísmo é a desocupação, falta, licença ou ausência de um colaborador. Mas será que qualquer falta já configura absenteísmo? As políticas internas definem a partir de que ponto o colaborador está excedendo os limites de ausência permitidas.

O absenteísmo pode ser causado por problemas externos: doenças, motivos familiares e pessoais, dificuldades financeiras e de transporte, entre outros; motivos internos: falta de motivação, atitudes impróprias da entidade patronal, cultura organizacional, entre outros.

Absenteísmo: conceito

Caracterizado por um padrão habitual de ausências no processo de trabalho, dever ou obrigação, o absenteísmo pode ser influenciado por problemas internos e externos. A maior parte das causas externas está fora do alcance e controle da organização, porém, os problemas internos são modificáveis. Com isso, o absenteísmo acaba por evidenciar certas deficiências nas relações laborais.

Termômetro que consegue medir as dificuldades operacionais, motivacionais e contratuais, o absenteísmo não é um parâmetro apenas de ausência, mas das dificuldades e problemas internos. Medidor da motivação, e por conseguinte, da estrutura e cultura organizacional, a falta frequente do colaborador acaba se tornando um parâmetro para o RH.

Diferentemente do que muitos acreditam, o absenteísmo não impacta apenas na rotatividade e turnover, mas também acaba se tornando um parâmetro para as novas contratações. Pois, a partir do perfil dos colaboradores ausentes, é possível traçar as características ideais para a retenção futura.

Impacto do absenteísmo nas empresas

O absenteísmo acaba por causar impactos negativos na organização. Aumento dos custos e as dificuldade na concretização dos objetivos organizacionais, são alguns dos danos causados pelo absenteísmo, que também afeta a eficácia e eficiência dos negócios.

Diante desse cenário, absenteísmo e rotatividade passam a andar juntos. Colaboradores ausentes não contribuem para o crescimento da organização, que por conseguinte, realiza o corte desses indivíduos, impactando no turnover.

Absenteísmo e turnover

Turnover e absenteísmo acabam sendo correlatos, pois não há motivos e possibilidades de manter um colaborador que mostra desinteresse pela organização. Medição da rotatividade de pessoal, o turnover mensura o giro de entradas e saídas de colaboradores.

Há 4 tipos de turnover:

1- Turnover Voluntário: onde o colaborador pede o desligamento da empresa;

2- Turnover Involuntário: o colaborador é desligado pela própria empresa;

3- Turnover Funcional: considerado benéfico para a empresa;

4- Turnover Disfuncional: considerado uma perda para a empresa.

O absenteísmo pode causar o turnover voluntário, involuntário e, o mais frequente, turnover funcional. Neste caso específico, a ausência do colaborador sempre impacta em uma saída benéfica para a organização, que perde uma peça que poderia estar causando danos para muitas outras e, acima de tudo, para a construção e desenvolvimento organizacional.

O turnover ligado ao absenteísmo também pode mostrar 2 pontos de atenção:

1- Falhas na cultura, operação e motivação organizacional;

2- Falhas no processo de recrutamento e seleção.

As rupturas organizacionais ficam evidentes quando a empresa enfrente casos frequentes de absenteísmo, aumentando consideravelmente o seu turnover. Quando a ausência dos colaboradores passa a impactar nos indicadores de rotatividade de pessoal, o alerta se volta para a estrutura organizacional e processo de seleção, e não apenas para as individualidades de cada ex colaborador.

Estes dois pontos nos mostram que: o problema nem sempre está no indivíduo. O absenteísmo pode ser causado por dificuldades estruturais gravíssimas, que precisam ser identificadas e tratadas para evitar maiores danos.

Outro ponto a ser considerado é o processo de recrutamento e seleção. Pois as falhas na escolha dos colaboradores, impacta diretamente na dificuldade de retenção do mesmos. O trabalho do RH é reter o colaborador e, em caso de perdê-lo, é necessário que o turnover disfuncional, seja o único indicador a aumentar.

Como diminuir, minimizar ou evitar o absenteísmo?

Acima de aprender como calcular o absenteísmo, as empresas precisam entender como evitá-lo. Diminuir, minimizar ou até mesmo eliminar o absenteísmo deve ser o objetivo do setor de Recursos Humanos. Os gestores, no geral, precisam estruturar as suas equipes a ponto de haver unicidade e mutualismo.

As empresas chegam ao ponto de conseguir que haja associação entre dois ou mais colaboradores, onde ambos são beneficiados, mantendo um sistema que se baseia na entidade mútua, na contribuição de todos para benefício individual de cada um dos contribuintes, elimina por completo qualquer possibilidade de absenteísmo. Mas como isso é possível?

Automação do processo de Recrutamento e Seleção

A modernidade chegou para os processos de recrutamento e seleção. Com inteligência artificial, softwares, como o da JobConvo, auxiliam na gestão dos processos seletivos. A plataforma possibilita que o recrutador mantenha o seu foco no processo. Evitando erros na contratação, o sistema não analisa candidatos fora do perfil desejado.

Com foco nos melhores candidatos, o software de recrutamento e seleção da JobConvo tem a capacidade de extrair informações e cruzar os dados entre empresas, vagas e currículos recebidos. Além disso, o sistema possui inteligência de ranqueamento, garantindo que os candidatos com maior nível potencial fiquem sempre em destaque no processo seletivo.

Alguns dos benefícios oferecidos pelo software são:

    • Criação de requisições;
    • Personalização e automatização das etapas dos processos;
    • Compartilhamento das vagas em diversos canais;
    • Aplicação de testes técnicos;
    • Fit Cultural;
    • Tendência de comportamento dos candidatos;
    • Análise de vídeo entrevistas;
    • Compartilhamento dos finalistas com gestores;
    • Análise dos relatórios;
  • Admissão digital.

Cada etapa do processo de automação de recrutamento, ajuda o recrutador na tomada de decisão, eliminando a probabilidade de contratação de colaboradores fora do perfil desejado, o que impacta diretamente na eliminação do absenteísmo.

Treinamento motivacional

Responsáveis pela conduta organizacional, o treinamento motivacional tem como base pilares e metas futuras. Com foco no desenvolvimento dos profissionais e promoção do engajamento na companhia, ele impacta na diminuição ou até mesmo na eliminação do absenteísmo.

Possibilitando que os colaboradores se mantenham motivados, o treinamento motivacional resulta no despertamento do estímulo, crescimento de potencial e aumento da produtividade na organização.

O treinamento motivacional ajuda a empresa a ligar os mecanismos que acionam a motivação do colaborador. Eliminando o absenteísmo, a motivação faz com que o indivíduo tenha uma ligação motivacional com a empresa, passando a se sentir motivado simplesmente por estar contribuindo para os fins organizacionais.

Desenvolvimento pessoal e organizacional, retenção de talentos e sucesso organizacional são consequências positivas do fim do absenteísmo!